5/21/2015

Carta ao Pai (Em Espanhol), de Franz Kafka


Franz Kafka 
(1883—1924)

Foi um escritor tcheco, autor de romances e contos, considerado pelos críticos como um dos escritores mais influentes do século XX. A maior parte de sua obra, como A Metamorfose, O Processo e O Castelo, está repleta de temas e arquétipos de alienação e brutalidade física e psicológica, conflito entre pais e filhos, personagens com missões aterrorizantes, labirintos burocráticos e transformações místicas (Wikipédia).

No Castelo (Em Espanhol), de Franz Kafka


Franz Kafka 
(1883—1924)

Foi um escritor tcheco, autor de romances e contos, considerado pelos críticos como um dos escritores mais influentes do século XX. A maior parte de sua obra, como A Metamorfose, O Processo e O Castelo, está repleta de temas e arquétipos de alienação e brutalidade física e psicológica, conflito entre pais e filhos, personagens com missões aterrorizantes, labirintos burocráticos e transformações místicas (Wikipédia).

Siddaharta (Em Espanhol), de Hermann Hesse


Hermann  Hesse 
(1877—1962) 

Foi um escritor alemão, que em 1923 se naturalizou suíço.

A Divina Comédia: Purgatório, de Dante Alighieri


Dante Alighieri 
(1265—1321) 

Foi um escritor, poeta e político italiano. É considerado o primeiro e maior poeta da língua italiana, definido como il sommo poeta ("o sumo poeta"). Disse Victor Hugo que o pensamento humano atinge em certos homens a sua completa intensidade, e cita Dante como um dos que "marcam os cem graus de gênio". E tal é a sua grandeza que a literatura ocidental está impregnada de sua poderosa influência, sendo extraordinário o verdadeiro culto que lhe dedica a consciência literária ocidental.

A Divina Comédia: Inferno, de Dante Alighieri


Dante Alighieri 
(1265—1321) 

Foi um escritor, poeta e político italiano. É considerado o primeiro e maior poeta da língua italiana, definido como il sommo poeta ("o sumo poeta"). Disse Victor Hugo que o pensamento humano atinge em certos homens a sua completa intensidade, e cita Dante como um dos que "marcam os cem graus de gênio". E tal é a sua grandeza que a literatura ocidental está impregnada de sua poderosa influência, sendo extraordinário o verdadeiro culto que lhe dedica a consciência literária ocidental.

Coisas que só eu sei (Conto), de Camilo Castelo Branco


Camilo Castelo Branco
(1825—1890)

Foi um escritor português, romancista, cronista, crítico, dramaturgo, historiador, poeta e tradutor. Foi ainda o 1º Visconde de Correia Botelho, título concedido pelo rei Dom Luís. Foi um dos escritores mais prolíferos e marcantes da literatura portuguesa (Wikipédia).

5/20/2015

O Pequeno Príncipe, de Antoine de Saint-Exupéry


Antoine de Saint-Exupéry
(1900—1944) 

foi um escritor, ilustrador e piloto francês, terceiro filho do conde Jean Saint-Exupéry e da condessa Marie Foscolombe.

O gigolô das palavras (Crônica), Luís Fernando Veríssimo


Luis Fernando Veríssimo 
(1936)

É um escritor brasileiro. Mais conhecido por suas crônicas e textos de humor, mais precisamente de sátiras de costumes, publicados diariamente em vários jornais brasileiros, Veríssimo é também cartunista e tradutor, além de roteirista de televisão, autor de teatro e romancista bissexto. Já foi publicitário e revisor de jornal. É ainda músico, tendo tocado saxofone em alguns conjuntos. Com mais de 60 títulos publicados, é um dos mais populares escritores brasileiros contemporâneos. É filho do também escritor Érico Veríssimo (Wikipédia).

O Livro dos Espíritos, Allan Kardec


Allan Kardec
(1804—1869) 

Foi um influente educador, autor e tradutor francês. Sob o pseudônimo de Allan Kardec, notabilizou-se como o codificadornota do Espiritismo (neologismo por ele criado), também denominado de Doutrina Espírita. Foi discípulo do reformador educacional Johann Heinrich Pestalozzi e um dos pioneiros na pesquisa científica sobre fenômenos paranormais (mais notoriamente a mediunidade), assuntos que antes costumavam ser considerados inadequados para uma investigação do tipo (Wikipédia).

O Ateneu, de Raul Pompéia


Raul Pompeia
(1863—1895)

Foi um escritor brasileiro. Após a Lei Áurea e a Proclamação da República, prosseguiu em suas atividades de jornalista político, engajando-se no grupo dos chamados "florianistas". Entregou-se a um exaltado nativismo. Tendo pronunciado um inflamado discurso junto à tumba de Floriano Peixoto (1895), foi demitido do cargo que ocupava na Biblioteca Nacional. Suicidou-se com um tiro no peito numa noite de natal, no escritório da casa onde morava com a mãe, que assistiu à sua morte (Wikipédia).

Evangelho Apócrifo de Tome (Evangelho Gnóstico)


O Evangelho de Tomé

Preservado em versão completa num manuscrito copta em Nag Hammadi, é uma lista de 114 ditos atribuídos a Jesus. Alguns são semelhantes aos dos evangelhos canônicos de Mateus, Marcos, Lucas e João, mas outros eram desconhecidos até a descoberta desse manuscrito em 1945. Tomé não explora, como os demais, a forma narrativa, apenas cita —de forma não estruturada— as frases, os ditos ou diálogos breves de Jesus a seus discípulos, contados a Tomé, dito Dídimo ("gêmeo" em grego), sem incluí-los em qualquer narrativa, nem apresentá-los em contexto filosófico ou retórico.

A Sabedoria Oculta da Cabala, de Rabi Michael Laitman


Rabi Michael Laitman

PhD em Filosofia e Cabala do Instituto de Filosofia de Moscou, da Academia de Ciências da Russia, e  Mestrado em “Cibernética na Medicina” da Faculdade de Cibernética em Medicina e Biologia da Universidade Politécnica Estadual de São Petersburgo.

Como Fazer Amigos e Influenciar Pessoas, de Dale Carnegie


Dale  Carnegie
 (1888—1955)


Foi um escritor e orador norte-americano. Autor de best-sellers como Como Fazer Amigos e Influenciar Pessoas e Como Evitar Preocupações e Começar a Viver, graças ao sucesso obtido chegou a ser conselheiro de líderes mundiais. Escreveu colunas em diversos jornais e teve o seu próprio programa de rádio. Fundou o que é hoje uma rede mundial de mais de 2.700 instrutores e escritórios em aproximadamente 90 países em todo o mundo (Wikipédia),

A Arte da Guerra, de Sun Tzu


Sun Tzu 
(544 a.C. - 496 a.C.)

Foi um general, estrategista e filósofo chinês. Sun Tzu é mais conhecido por sua obra A Arte da Guerra, composta por 13 capítulos de estratégias militares (Wikipédia).

A Senhora Rattazzi (Conto), de Camilo Castelo Branco


Camilo Castelo Branco
(1825—1890)

Foi um escritor português, romancista, cronista, crítico, dramaturgo, historiador, poeta e tradutor. Foi ainda o 1º Visconde de Correia Botelho, título concedido pelo rei Dom Luís. Foi um dos escritores mais prolíferos e marcantes da literatura portuguesa (Wikipédia).

Aquela Casa Triste (Conto), de Camilo Castelo Branco


Camilo Castelo Branco
(1825—1890)

Foi um escritor português, romancista, cronista, crítico, dramaturgo, historiador, poeta e tradutor. Foi ainda o 1º Visconde de Correia Botelho, título concedido pelo rei Dom Luís. Foi um dos escritores mais prolíferos e marcantes da literatura portuguesa (Wikipédia).

Aquela Casa Triste (Conto), de Camilo Castelo Branco


Camilo Castelo Branco
(1825—1890)

Foi um escritor português, romancista, cronista, crítico, dramaturgo, historiador, poeta e tradutor. Foi ainda o 1º Visconde de Correia Botelho, título concedido pelo rei Dom Luís. Foi um dos escritores mais prolíferos e marcantes da literatura portuguesa (Wikipédia).

Voltareis ó Cristo? de Camilo Castelo Branco


Camilo Castelo Branco
(1825—1890)

Foi um escritor português, romancista, cronista, crítico, dramaturgo, historiador, poeta e tradutor. Foi ainda o 1º Visconde de Correia Botelho, título concedido pelo rei Dom Luís. Foi um dos escritores mais prolíferos e marcantes da literatura portuguesa (Wikipédia).

História da Conjuração Mineira, de Joaquim Norberto de Souza e Silva


Joaquim Norberto
(1820-1891)

Funcionário público, poeta, romancista, teatrólogo, polígrafo, pesquisador, biógrafo. Colaborou em vários periódicos e na Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, para a qual entrou em 1841, tendo chegado a presidente do órgão. Sua atividade literária foi intensa e seus estudos têm validade para o conhecimento do passado literário do Brasil, dispersos na Revista do IHGB, na "Revista Popular", na "Minerva Brasiliense". É na crítica e história literária que reside a sua melhor contribuição através de estudos, memórias, edições anotadas de autores brasileiros (Portal da UFSC).

Crônicas de Lima Barreto


Lima Barreto
(1881 — 1922)

Foi jornalista e um dos mais importantes escritores brasileiros. Em sua obra, de temática social, privilegiou os pobres, os boêmios e os arruinados. Foi severamente criticado por escritores contemporâneos por seu estilo despojado e coloquial, que acabou influenciando os escritores modernistas. Fiel ao modelo do romance realista e naturalista resgatando as tradições cômicas, carnavalescas e picarescas da cultura popular, ao mesmo tempo em que manteve (Wikipédia).

Fedra (Teatro), de Jean Racine


Jean Racine
(1639—1699)

Foi um poeta trágico, dramaturgo, matemático e historiador francês. É considerado, juntamente com Pierre Corneille, como um dos maiores dramaturgos clássicos da França.

As Minas de Salomão (Tradução: Eça de Queiroz), Rider Haggard,


Rider Haggard 
(1856-1925)

Foi um escritor britânico, filho de William Meybohm Rider Haggard e Ella Doveton, que escreveu obras como As minas do rei Salomão, entre outras, geralmente protagonizadas por exploradores ingleses que viajavam pela África (Wikipédia).

As Religiões do Rio, de João do Rio


João do Rio
(1881—1921)

Foi um jornalista, cronista, tradutor e teatrólogo brasileiro.

- O Movimento da Independência (Parte I), de Oliveira Lima


Oliveira Lima 
(1867—1928) 

foi um escritor, crítico, embaixador do Brasil em diversos países e professor-visitante na Universidade Harvard. Membro-fundador da Academia Brasileira de Letras. Apaixonado por livros, colecionou-os ao longo de sua vida e montou o terceiro maior acervo sobre o Brasil, perdendo somente para a Biblioteca Nacional do Brasil e para a biblioteca da Universidade de São Paulo. A Biblioteca Oliveira Lima, situada na Universidade Católica de Washington, Estados Unidos, tem 58 mil livros além de correspondência trocada com intelectuais, mais de seiscentos quadros e incontáveis álbuns de recortes com notícias de jornais. Faz parte da coleção ainda um dos três bustos de dom Pedro I esculpido por Marc Ferrez (tio do fotógrafo homônimo), o único dos três feito em bronze (Wikipédia).

O Movimento da Independência (Parte I), de Oliveira Lima


Oliveira Lima 
(1867—1928) 

foi um escritor, crítico, embaixador do Brasil em diversos países e professor-visitante na Universidade Harvard. Membro-fundador da Academia Brasileira de Letras. Apaixonado por livros, colecionou-os ao longo de sua vida e montou o terceiro maior acervo sobre o Brasil, perdendo somente para a Biblioteca Nacional do Brasil e para a biblioteca da Universidade de São Paulo. A Biblioteca Oliveira Lima, situada na Universidade Católica de Washington, Estados Unidos, tem 58 mil livros além de correspondência trocada com intelectuais, mais de seiscentos quadros e incontáveis álbuns de recortes com notícias de jornais. Faz parte da coleção ainda um dos três bustos de dom Pedro I esculpido por Marc Ferrez (tio do fotógrafo homônimo), o único dos três feito em bronze (Wikipédia).

O Livro das Donas e Donzelas, de Júlia Lopes de Almeida


Júlia Lopes de Almeida 
(1862—1934)

Foi uma escritora e abolicionista brasileira. Sua produção literária foi vasta, mais de 40 volumes abrangendo romances, contos, literatura infantil, teatro, jornalismo, crônicas e obras didáticas. Em sua coluna no jornal O País, durante mais de 30 anos, discutiu variados assuntos e fez diversas campanhas em defesa da mulher (Wikipédia).

Eurico, o Presbítero, de Alexandre Herculano


Alexandre Herculano
 (1810—1877)

Foi um escritor, historiador, jornalista e poeta português da era do romantismo. Como liberal que era teve como preocupação maior, estabelecida nas suas ações políticas e seus escritos, sobretudo em condenar o absolutismo e a intolerância da coroa no século XVI para denunciar o perigo do retorno a um centralismo da monarquia em Portugal (Wikipédia).

A pata da gazela, de José de Alencar


José Alencar
(1829—1877) 

Foi um jornalista, político, advogado, orador, crítico, cronista, polemista, romancista e dramaturgo brasileiro. Formou-se em direito, iniciando-se na atividade literária no Correio Mercantil e Diário do Rio de Janeiro. Foi casado com Georgiana Augusta Cochrane (1846-1913). Era filho do senador José Martiniano Pereira de Alencar e sua mãe era Ana Josefina de Alencar, irmão do diplomata Leonel Martiniano de Alencar, barão de Alencar e seu outro irmão era Tristão Gonçalves, e pai de Augusto Cochrane de Alencar (Wikipédia).

Miguel de Cervantes: Don Quijote de la Mancha (Em Espanhol) - PARTE IV


Miguel de Cervantes 
(1547—1616) 

Foi romancista, dramaturgo e poeta castelhano. A sua obra-prima, Dom Quixote, muitas vezes considerada o primeiro romance moderno, é um clássico da literatura ocidental e é regularmente considerada um dos melhores romances já escritos. Seu trabalho é considerado entre os mais importantes em toda a literatura , e sua influência sobre a língua castelhana tem sido tão grande que o castelhano é frequentemente chamado de La lengua de Cervantes (A língua de Cervantes) - Wikipédia.

Miguel de Cervantes: Don Quijote de la Mancha (Em Espanhol) - PARTE III


Miguel de Cervantes 
(1547—1616) 

Foi romancista, dramaturgo e poeta castelhano. A sua obra-prima, Dom Quixote, muitas vezes considerada o primeiro romance moderno, é um clássico da literatura ocidental e é regularmente considerada um dos melhores romances já escritos. Seu trabalho é considerado entre os mais importantes em toda a literatura , e sua influência sobre a língua castelhana tem sido tão grande que o castelhano é frequentemente chamado de La lengua de Cervantes (A língua de Cervantes) - Wikipédia.

Miguel de Cervantes: Don Quijote de la Mancha (Em Espanhol) – PARTE II


Miguel de Cervantes 
(1547—1616) 

Foi romancista, dramaturgo e poeta castelhano. A sua obra-prima, Dom Quixote, muitas vezes considerada o primeiro romance moderno, é um clássico da literatura ocidental e é regularmente considerada um dos melhores romances já escritos. Seu trabalho é considerado entre os mais importantes em toda a literatura , e sua influência sobre a língua castelhana tem sido tão grande que o castelhano é frequentemente chamado de La lengua de Cervantes (A língua de Cervantes) - Wikipédia.

Miguel de Cervantes: Don Quijote de la Mancha (Em Espanhol) - PARTE I


Miguel de Cervantes 
(1547—1616) 

Foi romancista, dramaturgo e poeta castelhano. A sua obra-prima, Dom Quixote, muitas vezes considerada o primeiro romance moderno, é um clássico da literatura ocidental e é regularmente considerada um dos melhores romances já escritos. Seu trabalho é considerado entre os mais importantes em toda a literatura , e sua influência sobre a língua castelhana tem sido tão grande que o castelhano é frequentemente chamado de La lengua de Cervantes (A língua de Cervantes) - Wikipédia.

100 Homens que Mudaram a História do Mundo, de Bill Yenne


100 Homens que Mudaram a História do Mundo - de Bill Yenne

O Enfermeiro (Conto), de Machado de Assis


Machado de Assis 
(1839—1908)

Foi um escritor brasileiro, amplamente considerado como o maior nome da literatura nacional. Escreveu em praticamente todos os gêneros literários, sendo poeta, romancista, cronista, dramaturgo, contista, folhetinista, jornalista, e crítico literário. Testemunhou a mudança política no país quando a República substituiu o Império e foi um grande comentador e relator dos eventos político-sociais de sua época (Wikipédia)

Teoria do Medalhão (Conto), de Machado de Assis


Machado de Assis 
(1839—1908)

Foi um escritor brasileiro, amplamente considerado como o maior nome da literatura nacional. Escreveu em praticamente todos os gêneros literários, sendo poeta, romancista, cronista, dramaturgo, contista, folhetinista, jornalista, e crítico literário. Testemunhou a mudança política no país quando a República substituiu o Império e foi um grande comentador e relator dos eventos político-sociais de sua época (Wikipédia)

O Espelho (Conto), de Machado de Assis


Machado de Assis 
(1839—1908)

Foi um escritor brasileiro, amplamente considerado como o maior nome da literatura nacional. Escreveu em praticamente todos os gêneros literários, sendo poeta, romancista, cronista, dramaturgo, contista, folhetinista, jornalista, e crítico literário. Testemunhou a mudança política no país quando a República substituiu o Império e foi um grande comentador e relator dos eventos político-sociais de sua época (Wikipédia)

Cantigas de Esponsais (contos), de Machado de Assis


Machado de Assis 
(1839—1908)

Foi um escritor brasileiro, amplamente considerado como o maior nome da literatura nacional. Escreveu em praticamente todos os gêneros literários, sendo poeta, romancista, cronista, dramaturgo, contista, folhetinista, jornalista, e crítico literário. Testemunhou a mudança política no país quando a República substituiu o Império e foi um grande comentador e relator dos eventos político-sociais de sua época (Wikipédia)

Noite de Almirante (Conto), de Machado de Assis


Machado de Assis 
(1839—1908)

Foi um escritor brasileiro, amplamente considerado como o maior nome da literatura nacional. Escreveu em praticamente todos os gêneros literários, sendo poeta, romancista, cronista, dramaturgo, contista, folhetinista, jornalista, e crítico literário. Testemunhou a mudança política no país quando a República substituiu o Império e foi um grande comentador e relator dos eventos político-sociais de sua época (Wikipédia)

Idéias do canário (conto), de Machado de Assis


Machado de Assis 
(1839—1908)

Foi um escritor brasileiro, amplamente considerado como o maior nome da literatura nacional. Escreveu em praticamente todos os gêneros literários, sendo poeta, romancista, cronista, dramaturgo, contista, folhetinista, jornalista, e crítico literário. Testemunhou a mudança política no país quando a República substituiu o Império e foi um grande comentador e relator dos eventos político-sociais de sua época (Wikipédia)

O Dicionário (Conto), de Machado de Assis


Machado de Assis 
(1839—1908)

Foi um escritor brasileiro, amplamente considerado como o maior nome da literatura nacional. Escreveu em praticamente todos os gêneros literários, sendo poeta, romancista, cronista, dramaturgo, contista, folhetinista, jornalista, e crítico literário. Testemunhou a mudança política no país quando a República substituiu o Império e foi um grande comentador e relator dos eventos político-sociais de sua época (Wikipédia)

Três Consequências (Conto), de Machado de Assis


Machado de Assis 
(1839—1908)

Foi um escritor brasileiro, amplamente considerado como o maior nome da literatura nacional. Escreveu em praticamente todos os gêneros literários, sendo poeta, romancista, cronista, dramaturgo, contista, folhetinista, jornalista, e crítico literário. Testemunhou a mudança política no país quando a República substituiu o Império e foi um grande comentador e relator dos eventos político-sociais de sua época (Wikipédia)

Questões de Maridos (Conto), de Machado de Assis


Machado de Assis 
(1839—1908)

Foi um escritor brasileiro, amplamente considerado como o maior nome da literatura nacional. Escreveu em praticamente todos os gêneros literários, sendo poeta, romancista, cronista, dramaturgo, contista, folhetinista, jornalista, e crítico literário. Testemunhou a mudança política no país quando a República substituiu o Império e foi um grande comentador e relator dos eventos político-sociais de sua época (Wikipédia)

5/19/2015

A Indesejada (Conto), de Iba Mendes


Iba Mendes
(1970)

Três Tesouros Perdidos (Conto), de Machado de Assis


Machado de Assis 
(1839—1908)

Foi um escritor brasileiro, amplamente considerado como o maior nome da literatura nacional. Escreveu em praticamente todos os gêneros literários, sendo poeta, romancista, cronista, dramaturgo, contista, folhetinista, jornalista, e crítico literário. Testemunhou a mudança política no país quando a República substituiu o Império e foi um grande comentador e relator dos eventos político-sociais de sua época (Wikipédia)

Missa do Galo (Conto), de Machado de Assis


Machado de Assis 
(1839—1908)

Foi um escritor brasileiro, amplamente considerado como o maior nome da literatura nacional. Escreveu em praticamente todos os gêneros literários, sendo poeta, romancista, cronista, dramaturgo, contista, folhetinista, jornalista, e crítico literário. Testemunhou a mudança política no país quando a República substituiu o Império e foi um grande comentador e relator dos eventos político-sociais de sua época (Wikipédia)

Orai por Ele - Fragmento de narrativa (Conto), de Machado de Assis


Machado de Assis 
(1839—1908)

Foi um escritor brasileiro, amplamente considerado como o maior nome da literatura nacional. Escreveu em praticamente todos os gêneros literários, sendo poeta, romancista, cronista, dramaturgo, contista, folhetinista, jornalista, e crítico literário. Testemunhou a mudança política no país quando a República substituiu o Império e foi um grande comentador e relator dos eventos político-sociais de sua época (Wikipédia)

Verba Testamentária (Conto), de Machado de Assis


Machado de Assis 
(1839—1908)

Foi um escritor brasileiro, amplamente considerado como o maior nome da literatura nacional. Escreveu em praticamente todos os gêneros literários, sendo poeta, romancista, cronista, dramaturgo, contista, folhetinista, jornalista, e crítico literário. Testemunhou a mudança política no país quando a República substituiu o Império e foi um grande comentador e relator dos eventos político-sociais de sua época (Wikipédia)

Um Apólogo (Conto), de Machado de Assis


Machado de Assis 
(1839—1908)

Foi um escritor brasileiro, amplamente considerado como o maior nome da literatura nacional. Escreveu em praticamente todos os gêneros literários, sendo poeta, romancista, cronista, dramaturgo, contista, folhetinista, jornalista, e crítico literário. Testemunhou a mudança política no país quando a República substituiu o Império e foi um grande comentador e relator dos eventos político-sociais de sua época (Wikipédia)

O Caso da Vara (Conto), de Machado de Assis


Machado de Assis 
(1839—1908)

Foi um escritor brasileiro, amplamente considerado como o maior nome da literatura nacional. Escreveu em praticamente todos os gêneros literários, sendo poeta, romancista, cronista, dramaturgo, contista, folhetinista, jornalista, e crítico literário. Testemunhou a mudança política no país quando a República substituiu o Império e foi um grande comentador e relator dos eventos político-sociais de sua época (Wikipédia)

Metafísica das Rosas (Conto), de Machado de Assis


Machado de Assis 
(1839—1908)

Foi um escritor brasileiro, amplamente considerado como o maior nome da literatura nacional. Escreveu em praticamente todos os gêneros literários, sendo poeta, romancista, cronista, dramaturgo, contista, folhetinista, jornalista, e crítico literário. Testemunhou a mudança política no país quando a República substituiu o Império e foi um grande comentador e relator dos eventos político-sociais de sua época (Wikipédia)

A Cartomante (Conto), de Machado de Assis


Machado de Assis 
(1839—1908)

Foi um escritor brasileiro, amplamente considerado como o maior nome da literatura nacional. Escreveu em praticamente todos os gêneros literários, sendo poeta, romancista, cronista, dramaturgo, contista, folhetinista, jornalista, e crítico literário. Testemunhou a mudança política no país quando a República substituiu o Império e foi um grande comentador e relator dos eventos político-sociais de sua época (Wikipédia)

Um Incêndio (Conto), de Machado de Assis


Machado de Assis 
(1839—1908)

Foi um escritor brasileiro, amplamente considerado como o maior nome da literatura nacional. Escreveu em praticamente todos os gêneros literários, sendo poeta, romancista, cronista, dramaturgo, contista, folhetinista, jornalista, e crítico literário. Testemunhou a mudança política no país quando a República substituiu o Império e foi um grande comentador e relator dos eventos político-sociais de sua época (Wikipédia)

Um Homem Célebre (Conto), de Machado de Assis


Machado de Assis 
(1839—1908)

Foi um escritor brasileiro, amplamente considerado como o maior nome da literatura nacional. Escreveu em praticamente todos os gêneros literários, sendo poeta, romancista, cronista, dramaturgo, contista, folhetinista, jornalista, e crítico literário. Testemunhou a mudança política no país quando a República substituiu o Império e foi um grande comentador e relator dos eventos político-sociais de sua época (Wikipédia)

Como se inventaram os Almanaques (Conto), de Machado de Assis


Machado de Assis 
(1839—1908)

Foi um escritor brasileiro, amplamente considerado como o maior nome da literatura nacional. Escreveu em praticamente todos os gêneros literários, sendo poeta, romancista, cronista, dramaturgo, contista, folhetinista, jornalista, e crítico literário. Testemunhou a mudança política no país quando a República substituiu o Império e foi um grande comentador e relator dos eventos político-sociais de sua época (Wikipédia)

Antes a Rocha Tarpéia (Conto), de Machado de Assis


Machado de Assis 
(1839—1908)

Foi um escritor brasileiro, amplamente considerado como o maior nome da literatura nacional. Escreveu em praticamente todos os gêneros literários, sendo poeta, romancista, cronista, dramaturgo, contista, folhetinista, jornalista, e crítico literário. Testemunhou a mudança política no país quando a República substituiu o Império e foi um grande comentador e relator dos eventos político-sociais de sua época (Wikipédia)

O Relógio de Ouro (Conto), de Machado de Assis


Machado de Assis 
(1839—1908)

Foi um escritor brasileiro, amplamente considerado como o maior nome da literatura nacional. Escreveu em praticamente todos os gêneros literários, sendo poeta, romancista, cronista, dramaturgo, contista, folhetinista, jornalista, e crítico literário. Testemunhou a mudança política no país quando a República substituiu o Império e foi um grande comentador e relator dos eventos político-sociais de sua época (Wikipédia)

Pobre Cardeal! (Conto), de Machado de Assis


Machado de Assis 
(1839—1908)

Foi um escritor brasileiro, amplamente considerado como o maior nome da literatura nacional. Escreveu em praticamente todos os gêneros literários, sendo poeta, romancista, cronista, dramaturgo, contista, folhetinista, jornalista, e crítico literário. Testemunhou a mudança política no país quando a República substituiu o Império e foi um grande comentador e relator dos eventos político-sociais de sua época (Wikipédia)

Terpsícore (Conto), Machado de Assis


Machado de Assis 
(1839—1908)

Foi um escritor brasileiro, amplamente considerado como o maior nome da literatura nacional. Escreveu em praticamente todos os gêneros literários, sendo poeta, romancista, cronista, dramaturgo, contista, folhetinista, jornalista, e crítico literário. Testemunhou a mudança política no país quando a República substituiu o Império e foi um grande comentador e relator dos eventos político-sociais de sua época (Wikipédia)

A Senhora do Galvão (Conto), de Machado de Assis


Machado de Assis 
(1839—1908)

Foi um escritor brasileiro, amplamente considerado como o maior nome da literatura nacional. Escreveu em praticamente todos os gêneros literários, sendo poeta, romancista, cronista, dramaturgo, contista, folhetinista, jornalista, e crítico literário. Testemunhou a mudança política no país quando a República substituiu o Império e foi um grande comentador e relator dos eventos político-sociais de sua época (Wikipédia)

Uns Braços (Conto), de Machado de Assis


Machado de Assis 
(1839—1908)

Foi um escritor brasileiro, amplamente considerado como o maior nome da literatura nacional. Escreveu em praticamente todos os gêneros literários, sendo poeta, romancista, cronista, dramaturgo, contista, folhetinista, jornalista, e crítico literário. Testemunhou a mudança política no país quando a República substituiu o Império e foi um grande comentador e relator dos eventos político-sociais de sua época (Wikipédia)

Um Dístico (Conto), de Machado de Assis


Machado de Assis 
(1839—1908)

Foi um escritor brasileiro, amplamente considerado como o maior nome da literatura nacional. Escreveu em praticamente todos os gêneros literários, sendo poeta, romancista, cronista, dramaturgo, contista, folhetinista, jornalista, e crítico literário. Testemunhou a mudança política no país quando a República substituiu o Império e foi um grande comentador e relator dos eventos político-sociais de sua época (Wikipédia)

O Contrato (Conto), de Machado de Assis


Machado de Assis 
(1839—1908)

Foi um escritor brasileiro, amplamente considerado como o maior nome da literatura nacional. Escreveu em praticamente todos os gêneros literários, sendo poeta, romancista, cronista, dramaturgo, contista, folhetinista, jornalista, e crítico literário. Testemunhou a mudança política no país quando a República substituiu o Império e foi um grande comentador e relator dos eventos político-sociais de sua época (Wikipédia)

História Curta (Conto), de Machado de Assis


Machado de Assis 
(1839—1908)

Foi um escritor brasileiro, amplamente considerado como o maior nome da literatura nacional. Escreveu em praticamente todos os gêneros literários, sendo poeta, romancista, cronista, dramaturgo, contista, folhetinista, jornalista, e crítico literário. Testemunhou a mudança política no país quando a República substituiu o Império e foi um grande comentador e relator dos eventos político-sociais de sua época (Wikipédia)

Marcha Fúnebre (Conto), de Machado de Assis


Machado de Assis 
(1839—1908)

Foi um escritor brasileiro, amplamente considerado como o maior nome da literatura nacional. Escreveu em praticamente todos os gêneros literários, sendo poeta, romancista, cronista, dramaturgo, contista, folhetinista, jornalista, e crítico literário. Testemunhou a mudança política no país quando a República substituiu o Império e foi um grande comentador e relator dos eventos político-sociais de sua época (Wikipédia)

O Segredo do Bonzo (Conto), Machado de Assis


Machado de Assis 
(1839—1908)

Foi um escritor brasileiro, amplamente considerado como o maior nome da literatura nacional. Escreveu em praticamente todos os gêneros literários, sendo poeta, romancista, cronista, dramaturgo, contista, folhetinista, jornalista, e crítico literário. Testemunhou a mudança política no país quando a República substituiu o Império e foi um grande comentador e relator dos eventos político-sociais de sua época (Wikipédia)

A Flor Anônima (Conto), de Machado de Assis


Machado de Assis 
(1839—1908)

Foi um escritor brasileiro, amplamente considerado como o maior nome da literatura nacional. Escreveu em praticamente todos os gêneros literários, sendo poeta, romancista, cronista, dramaturgo, contista, folhetinista, jornalista, e crítico literário. Testemunhou a mudança política no país quando a República substituiu o Império e foi um grande comentador e relator dos eventos político-sociais de sua época (Wikipédia)

O Empréstimo (Conto), de Machado de Assis

Machado de Machado de Assis 
(1839—1908)

Foi um escritor brasileiro, amplamente considerado como o maior nome da literatura nacional. Escreveu em praticamente todos os gêneros literários, sendo poeta, romancista, cronista, dramaturgo, contista, folhetinista, jornalista, e crítico literário. Testemunhou a mudança política no país quando a República substituiu o Império e foi um grande comentador e relator dos eventos político-sociais de sua época (Wikipédia)

Carlos Drummond de Andrade por ele mesmo


Carlos Drummond de Andrade
(1902—1987)

Foi um poeta, contista e cronista brasileiro, considerado por muitos o mais influente poeta brasileiro do século XX.Drummond, como os modernistas, segue a libertação proposta por Mário e Oswald de Andrade; com a instituição do verso livre, mostrando que este não depende de um metro fixo. Se dividirmos o modernismo numa corrente mais lírica e subjetiva e outra mais objetiva e concreta, Drummond faria parte da segunda, ao lado do próprio Oswald de Andrade (Wikipédia).